Adoção e Sociedade. Sávio Bittencourt.

Imagem

Falar sobre a adoção em família e sociedade é essencial para se vencer a ideia de que a filiação biológica é superior a adotiva. Esta impressão é sub-repticiamente lançada por expressões comuns e aparentemente inofensivas.

“Quantos filhos são seus mesmo?”
“Este é seu filho mesmo ou adotado?”
“Este é o que você está criando?”.

Sei que as pessoas não fazem por mal, mas exteriorizam uma visão preconceituosa da adoção quando agem assim. TODOS os filhos são nossos, em afeto, em amor, em construção de nossa biografia em conjunto. Todos os filhos, biológicos ou adotivos, são criados por nós. Nosso cuidado, exercido no dia a dia, é que nos legitima como pais. A ausência desse cuidado é extremamente prejudicial a filhos, biológicos ou adotivos. Temos que criá-los todos.

O pai adotivo deve conviver amavelmente com estes inocentes preconceitos, com coragem de simplesmente negá-los, com um sorriso confiante de quem sabe que a adoção gera um amor tão profundo que dele não se pode falar sem emoção, sem palpitação.

Todo filho é “de verdade” quando você o ama intensamente; todo filho é ‘seu mesmo’ quando você é honesto com ele; todo filho é ‘de criação’ quando você lhe dá prioridade.

Sávio Bittencourt.

O tempo voa…

Estava olhando meus registros do face, aqueles que só nós podemos ver e me espantei ao ver como o tempo está passando cada vez mais rápido.

Em 2011 a Fer foi fazer work experience na Califórnia, eu estava achando o máximo minha filha viajar prá fora do país, ela começou a falar no começo do ano e já em seguido havia marcado prá embarcar em dezembro. O tempo foi passando e chegou dezembro e eu toda orgulhosa, eufórica com a viagem dela… eis que chega o dia do embarque, dia 8 de dezembro de 2011, ela acordou e já começou a arrumar o quarto, terminou de arrumar as malas, meu Deus, a hora que ela fechou a mala é que eu me dei conta de que eu iria ficar longe do meu neném por meses, a milhares de quilômetros de distância, um desespero tomou conta de mim e eu me escondia dela prá chorar, afinal era uma viagem que ela tinha planejado há meses. Aaah como sofri, cheirava suas roupas, abria seu perfume e ficava ali horas cafungando e chorando sozinha, passava dezoito horas conectada prá falar com ela, sou ansiosa e meio fora da casinha, então achava que ela podia me chamar a qualquer momento e eu não estar on line, coisas de mãe!! Eu não podia ver um comercial de margarina que desandava a chorar, sempre fico emotiva demais no fim de ano, mas aquele ano eu estava longe demais da minha neguinha e até se alguém fizesse careta prá mim eu chorava. O Du então, prá me animar, inventou uma viagem prá Porto de Galinhas, assim eu me ocupava planejando tudo e não ficava triste de saudade da nega, e como ele me conhece foi isso que aconteceu, passava horas procurando hotéis, fazendo roteiros e a tristeza da saudade deu lugar a euforia, então eu contava os dias prá ela chegar e tinha mais um motivo prá ficar feliz. No final de janeiro eu acho, meu pai teve mais um infarto, ele já tinha tido uns três, mas esse foi o pior, porque quando foram passar o catéter, ele teve uma parada cardiorrespiratória e ficou “fora do ar” por quase três minutos. Foram dias indo vê-lo na UTI e a incerteza se ele sairia de lá bem, graças a Deus tivemos um final feliz nesse episódio e hoje o véio tá ótimo, cheio de saúde!  Em abril de 2012 fizemos nossa primeira viagem de férias, ficamos sete dias entre Porto de Galinhas, Recife e Olinda, foi um paraíso, minha vontade era e é de ficar lá. Passada a viagem, a Fer em casa e a vida seguiu seu curso normal. Depois tivemos notícias que minha kunhada estava grávida e minha amiga Mônica também, as duas com diferença de um mês. Chegou mais um Natal e a correria de final de ano e eu jamais iria imaginar que eu estaria no ano de 2013 grávida do coração e de duas crianças!!! Em janeiro recebi o melhor pedido de toda minha vida, mesmo porque o melhor pedido da vida de uma mulher é o de casamento, mas prá mim não  porque eu pedi o Du em casamento, hahahahaha. Enfim, desde o dia 31 de janeiro até aqui, muito tempo se passou e nós já estamos habilitados e esperando nossos filhos. Olhando os grupos de adoção que faço parte, consta que sou membro há seis meses, que loucuraaaa, seis meses passaram voando e nesse tempo eu chorei, sorri, fiz novas amizades, participei das festinhas de aniversários dos filhos das minhas amigas, fiz esse blog, sofri com a doença da minha filha de quatro patas, nossa tantas coisas feitas em tão pouco tempo, mas uma eternidade na espera das crianças. Hoje estou mais esperançosa que ontem, sei que minha hora está mais próxima e que logo minha vida tomará um rumo completamente diferente do que imaginei nessa mesma época ano passado. Agora já planejo nossa vida com mais duas pessoinhas, penso em como fazer e o dia que elas chegarem, faço planos para o Natal, uma grande festa com as famílias, o Du vestido de Papai Noel, os presentes…Em seis meses o quartinho da bagunça deu lugar a um quarto novo, branquinho, com cortinas e cheirinho gostoso de tudo novo, mas hoje quase não entro lá tanto quanto há duas semanas, antes eu ficava lá olhando e imaginando eles ali, hoje eu procuro não entrar, pois tá arrumadinho e silencioso demais e me dá um aperto no coração lembrar que eles estão em algum lugar, dividindo camas e roupas, dormindo sabe Deus como, longe de nós. Mas o tempo voa e eu sei que logo estarei aqui, contando sobre eles!!!

Mais um dia… Menos um dia…

Eitchaaaaaaaaaa que faz uma semana que não escrevo nada aqui… Então vamos aos acontecimentos. No último sábado, 17/08 teve a festa de aniversário da C. de três aninhos, também filha de uma amiga do grupo, que delícia de festa, um frio danado lá fora, mas lá dentro só amor, crianças e Fofices da Lola extremamente gostosas. O Du estava trabalhando e eu fui sozinha, a Fer me levou e depois voltei de carona com a Ellen, nem preciso dizer como passei a tarde, maravilhosa e não queria estar em outro lugar senão lá! Ontem foi aniversário de duas amigas do grupo, a Dani e a Mariana, teve bolo na casa da Dani, que por acaso mora aqui perto e nós fomos, mais uma noite deliciosa com amigos e a criançada fervendo!!! Eu já disse uma vez e torno a dizer, eu não sei o que seria sem o grupo… tenho encontrado ombros amigos, apoio, torcida, carinho e tudo mais que alguém precisa receber quando está nessa fase angustiante e esperançosa da fila da adoção. Amigos maravilhosos que largam tudo prá ajudar, se preocupam, compartilham e se doam sem querer nada em troca. Eu estou realmente agradecida e encantada com essas pessoas, são anjos que Deus colocou no meu caminho enquanto espero meus filhos! Há uma pessoa em especial que um dia eu quero conhecer pessoalmente, dar um abraço bem apertado e agradecer olhando nos olhos tudo que ela tem feito por mim e se Deus quiser não vai demorar prá nos encontrarmos, por enquanto só posso agradecer e pedir que Deus retribua em dobro tudo que ela faz, não só por mim, mas por dezenas de pessoas e dessas dezenas eu conheço algumas e posso dizer que todas são prova viva do bem que essa pessoa faz e faz por amor, só por amor.

Não tive e não tenho novidades sobre meus filhos e isso me faz hora desanimada, hora esperançosa, hora chateada, hora com raiva, explico o motivo de desanimada e com raiva: Há uma conta que não bate, não fecha, por um lado há dados de mais de 30 mil crianças abrigadas (no mínimo), por outro há dados de adotantes exigentes, mas e o lado das crianças? O lado que o judiciário leva 4 anos prá destituir uma criança? Na terça feira a noite, eu estava sozinha e assisti uma matéria em que uma menina foi retirada da mãe com 15 dias de vida, aos dois anos e meio não estava destituída ainda e o juiz a reintegrou a genitora, alguns dias depois, a menina voltou pro abrigo toda machucada, sofreu maus tratos e ainda permanece lá e sem destituição! De quem é a culpa?? Alguns casais querem apenas bebês, brancos e saudáveis sim, mas graças a Deus hoje mudou e eles são a minoria, mas se o judiciário fizer vista grossa, isso nunca vai acabar e não adianta culpar o perfil dos adotantes!!!! Existem sim, pessoas que defendem as crianças, fazem todo o possível prá dar uma família prá elas, mas existem outras que são completamente hipócritas, dizem que fazem de tudo, mas na verdade é só uma máscara, porque se defendessem as crianças realmente, estariam agindo de forma diferente!!! Não canso de ver as palestras, as entrevistas e os relatos do Dr. Sávio Bittencurt, sim ele é um promotor de justiça, pai adotivo, presidente do Quintal de Ana… um homem abençoado que luta pelas crianças, abraçou a causa e depositou nela um amor puro, um amor de pai!! Assim como ele, tem meia dúzia de pessoas assim, mas sozinhas essas pessoas não conseguem mudar as leis e o pensamento de alguns juízes, mas posso garantir que essa meia dúzia de pessoas, faz pelas crianças muito mais que muitos santinhos que estão por aí, apoiados em gente rica e famosa, amparados por políticos e os bam bam bans da sociedade! A causa CRIANÇAS EM ORFANATOS, LARES E ABRIGOS deve ser defendida por todos, deve ser questão única e prioritária nas varas de infância e seus colaboradores!! Não digo isso porque estou esperando meus filhos e depois vou esquecer, pelo contrário, e as milhares de crianças que perdem seus melhores anos abrigadas? É realmente isso que é bonito? Uma criança chegar num abrigo com dias de vida e só sair de lá com dezoito anos? Não, isso é horrível, é cruel!!! Enquanto meia dúzia de pessoas faz o que pode, as outras cruzam os braços e a hipocrisia domina!!!!!!! Enquanto minha admiração só aumenta por algumas pessoas, por outras só cresce a decepção, não estou querendo nada, não serei candidata a nada, não estou dando indiretas, não estou revoltada, simplesmente indignada e triste ao me decepcionar com algumas pessoas que prá mim eram as que mais apoiavam as crianças e em alguns momentos me espelhei nelas, mas percebi que era só fachada, blá blá blá seguido de lavagem cerebral com o intuito de beneficiar não sei o que, não descobri ainda e nem quero descobrir!!

Enfim… a semana tá acabando e lá se foi Mais um dia sem meus filhos, mas é Menos um dia sem eles!!!!!!!!!!

Triste? Chata? Mau humorada? Deprimida?

Essa semana tá complicada…tô chata, deprimida, mau humorada… só queria entrar num buraco bem escuro e ali ficar, quieta. Acho que pela primeira vez, desde janeiro estou com tudo á flor da pele, foram dias de correria, entrevistas, curso, palestras e agora tudo veio á tona! Talvez eu esteja assim porque esperava algo que não aconteceu, talvez seja porque a Fer minha companheira de tudo, tá trabalhando e não tem mais tempo prá mim, talvez seja porque eu quero comprar tudo e não posso, talvez seja porque eu tenho ficado muito em casa e consequentemente no face e nos grupos, talvez seja porque o Du e eu não estejamos em sintonia, talvez seja porque eu espero demais das pessoas e me decepciono, ou talvez seja simplesmente tudo isso junto, misturado com a frescurite da gravidez. Sim, eu estou grávida do coração, fato que não é menos importante que uma gravidez “de barriga”. Só vou me referir desse modo enquanto meus filhos não chegam, porque ainda existem pessoas alienadas que fazem questão de diferenciar isso, mas quando eles chegarem, serão meus filhos e quem me perguntar quantos filhos tenho, ouvirá que tenho três filhos, JAMAIS vão me ouvir dizer que tenho uma filha “legítima” e dois adotados!!!  Digo isso porque o preconceito gira em torno de hereditariedade, laços de sangue… tem uma pessoa nos meus contatos, que toda semana posta uma mensagem prá suas amigas que estão grávidas “de barriga”, mas nunca incluiu meu nome… ok, minha gravidez não precisa de paparicos de gente preconceituosa. Outro fato que há tempos me incomoda são os famosos tapinhas nas costas, seguidos das frases: Nossa, que atitude maravilhosa, Que boa ação vocês estão fazendo, Tenho orgulho de vocês, Que coragem adotar duas crianças, Vocês são loucos por querer uma criança mais velha, Ah porque não um recém nascido?

Não mereço tapinha nas costas, não sou louca e não quero um recém nascido!! Tenha orgulho de mim, por eu ser uma pessoa honesta, por não matar, não roubar, por viver dentro da lei e de alguns ensinamentos da Bíblia, sim alguns, pois não frequento igreja, então não sigo todos, fofoco e falo mal de quem não gosto, não sou perfeita, muito menos santa, tenha orgulho de mim por não te mandar prá lá… aquele lugar bem nojento, com sua frase pré pronta de preconceito e compaixão!!! Não preciso justificar porque não quero um recém nascido e nem porque compramos um berço, mas aí vai… compramos o berço porque é um berço um pouco maior e vira mini cama, tenho sobrinhos que passam as férias comigo, como iria comprar duas camas e deixar meus sobrinhos de lado? Pronto, simples assim!! Quero ser mãe de novo, e prá tal fato não preciso que um bebê seja gerado dentro de mim, não preciso carregá-lo meses na barriga, não precisa ele ter meus traços e nem do Du, não queremos hereditariedade, pois nossa genética nem é tão boa assim, há alguns fatores que me incomodam, tanto do meu lado quanto do dele. Se quiséssemos genética, teríamos feito FIV ou IA, mas optamos pelo modo mais simples, aconchegar uma criança crescida, receber o amor que ela tem prá dar e dar o amor que ela precisa e que temos de sobra!! Por mim, seria mãe de uma criança especial, mãe é mãe e não importa se seu filho é “perfeitamente saudável” ou tem alguma patologia, mas o Du disse que não tá preparado ainda e eu respeito, quem sabe mais prá frente, Deus nos presenteia com um anjinho especial!!! Ouvi algumas vezes que quem sabe agora eu engravido… NÃO, eu não vou e nem quero engravidar “de barriga”, já estou grávida e prá quem não sabe, tomo ininterruptamente pílula, nem menstruo mais, como se por milagre de Deus isso acontecesse, eu deixasse de adotar, NUNCA!!!

O maior exemplo de que não precisamos de laços de sangue prá amar é que EU tenho apenas um sobrinho “de sangue”, filho do meu irmão Júnior, hoje ele tem dezoito anos e quando ele tinha três ou quatro anos, os pais se separaram e por ignorância da mãe dele, ela nos proibia de vê-lo, eu IDIOTA prá não causar brigas, obedecia e meu sobrinho nunca me chamou de TIA, faz uns dez anos que não o vejo, não temos contato, morávamos no mesmo bairro, hoje tenho ele no face, mas ele nunca retribuiu uma mensagem minha, nunca teve amor por mim. Já por parte do Du, tenho 3 sobrinhos, filhos dos irmãos dele. A Nanda entrou na minha vida quando ela tinha seis anos, hoje tá uma moça linda, com dezessete anos e eu amo essa guria, eu sabia que a amava, mas não tanto quando ela fugiu de casa no ano passado, foram duas horas sem notícias dela, eu desesperada andando pela casa chorando e sem saber o que fazer, o que ela fez? A vó brigou com ela e ela arrumou as malas prá vir morar aqui!! O João Victor tem nove anos, é meu rei, passa dias aqui comigo, fazemos campeonato de arroto e inventamos musiquinhas nojentas, cheias de palavrões, eu faço tudo que ele quer e ainda invento arte prá depois ele perturbar a mãe dele, amo esse menino tanto, que dói de saudade quando fico muito tempo sem vê-lo! E agora chegou a Julia, ela tá com quatro meses, é irmã do João e já era amada na barriga da mãe, não vejo a hora dela crescer e vir passar as férias aqui em casa!

Engraçado não? Só me realizei como tia, por intermédio dos sobrinhos do meu marido… preciso explicar mais???? 

Enfim, não sou uma divindade, falo palavrão, arroto, falo mal das pessoas, tem dias que não limpo minha casa, tem dias que tenho preguiça de cozinhar e pedimos pizza, eu brigo, eu falo o que me incomoda, portanto não tenho vocação prá santa e nem quero ter, apenas quero ser normal, quero ser mãe… Não preciso de ninguém questionando nossas escolhas, nos endeusando, nos glorificando, nos olhando de cara feia… Nossos filhos serão NOSSOS FILHOS E EU JAMAIS VOU ADMITIR PRECONCEITO, DISCRIMINAÇÃO! Independente da cor, idade, de onde venham! O QUE TRANSFORMA UMA MULHER EM MÃE NÃO ESTÁ NO SANGUE… ESTÁ NO CORAÇÃO!!!!!

Grupo de Apoio.

No último sábado, 10/08 tivemos a festa de aniversário do S. Não posso colocar o nome, fotos ou dados pois ele está em processo de adoção, portanto é segredo de justiça. Pois bem, ele é filho de uma pessoa que gosto muito, posso dizer que foi a primeira pessoa que fiz amizade no maravilhoso mundo da adoção. Eu estava ansiosa demais por essa festa, porque nosso grupo é grande, digo nosso porque me sinto totalmente á vontade com as pessoas que fazem parte. Desse grupo daqui de Curitiba, pessoalmente só conhecia a mãe do S. e uma outra mãe, as outras só via face.. mas claro que a amizade nem sempre precisa de contato físico, tenho muitas amigas de anos, que nunca vi pessoalmente e as adoro de coração. Eu só estava preocupada com o Du, pois ele não conhecia ninguém e ele é bem introvertido, sabia que ele se sentiria um peixe fora d’água… mas ele adorou, conheceu todo o povo do grupo, ficou encantado com as crianças, principalmente com a L. de 3 anos e que é uma graça… pense em tudo que você mais gosta, agora multiplique por 10… essa é a L.!!!!! rsrsrsrsrsrsrs

Me senti muito bem, apoiada, senti que ali era o melhor lugar do mundo para estar, todos com seus filhos, unidos, contando suas trajetórias, suas batalhas e é um sentimento mútuo, todos ali estão na mesma situação, todos tem o amor incondicional. As crianças são umas mais fofas que as outras, difícil saber qual é a mais adorável, elas chegam e vem dar beijinho, algumas maiores até conversam, nossa me senti no paraíso!!! Na verdade é uma grande família, aonde todos se ajudam, todos partilham da mesma alegria e até mesmo o mesmo preconceito e é nisso que precisamos estar preparados, no preconceito. Mas nesse post não vou falar nada triste ou chato, apenas contar que essa foi a nossa primeira festa de criança como futuros pais, na verdade fora aniversários dos sobrinhos, nunca fomos em uma, rsrsrsrsrsrs. Mas essa foi especial, pois estávamos comemorando além do aniversário, a chegada do S. á sua família, tudo feito com muito amor, carinho e capricho, eu conheci as amigas do coração, que me aturam com minhas neuras, me aconselham nos momentos de aflição e torcem por nós, pois já estiveram desse lado de cá. Passei uma tarde maravilhosa, ao lado de pessoas que realmente entendem o que estou passando e que vão me apoiar até a chegada dos meus filhos, independente da cor e da idade deles. Meus filhos já tem uma porção de amiguinhos, espero o momento de planejar a festinha deles e convidar toda essa família que me acolheu de braços e coração abertos! É algo que só quem passa por esse processo sabe, não adianta eu tentar explicar, é somente Amor, puro e sincero Amor!!! No próximo sábado tenho outra festa prá ir, da C. filha de outra amiga do coração, claaaaaaro que vou, serei arroz de festa agora, rsrsrsrsrsrs. Grupo das Mamães do Coração de Curitiba, obrigada por me acolher, por deixar fazer parte da vida de vocês, de compartilhar comigo esses momentos tão especiais, adoro vocês!!!!

Meu marido tá GRÁVIDO!!!

Conforme contei lá atrás, o berço não coube e estávamos pensando em devolvê-lo, passei o domingo pensando e procurando um marceneiro. Mandei e-mail pro meu pai, sim geralmente quando estou afobada mando e-mail, pois ele é normal, dorme cedo… coisa que raramente consigo fazer, logo em seguida ele telefonou e se prontificou a me ajudar, infelizmente a pessoa que ele procurou não poderia vir até aqui e pediu que eu levasse na casa do meu pai, pois é mais perto, não tinha como, precisávamos que o marceneiro visse o tamanho do problema prá não piorar a situação. Duas amigas indicaram marceneiros, liguei pro primeiro e ele ficou de me ligar no dia seguinte prá pegar meu endereço e vir, estou até agora esperando o telefonema dele… liguei pro que minha amiga Luana indicou, expliquei o problema e ele ficou de vir a noite, conforme combinado ele ligou mais tarde pro meu marido explicar o trajeto, pois ele iria atravessar a cidade e homem é sempre mais prático, eu particularmente sou meio lerda prá explicar. O abençoado marceneiro chegou por volta das 21horas, olhou, conversamos e ele achou a solução, cortar 8 centímetros da cabeceira e da parte final do berço, ( não sei como chama, será pezeira? rsrsrsrs) ele levou o berço e vai trazer no domingo… Abençoado homem, veio mesmo sabendo que era só um reparo, um conserto pequeno, não ligando prá grandes orçamentos, abençoada Lu, pessoa que conheci quando a Madu tava muito doente e que me deu mais força e carinho que muitos amigos de casa, está sempre presente, mesmo através dessa tela, tenho um carinho gigante por ela! 

O João ficou aqui uma semana, conversei muito com ele e deixei ele seguro quanto ao nosso amor por ele, que nada irá mudar e ele só está preocupado se as crianças vão demorar, que ele quer proteger os priminhos… Um dos meus irmãos, que por sinal eu acho que é o que mais se parece comigo em temperamento, veio perguntar como estava o processo, está ansioso como nós, conversamos e ele me falou que vai mimar tanto os sobrinhos e vai ensinar muita arte prá eles, que eu vou ficar louca, minha ku, irmã do Du está desesperada prá bordar toalhas e comprar tudo que puder para os sobrinhos… é tão boa essa sensação, tanto amor, tanta espera, tanto sonho… nem sei como descrever, só que está todo mundo maluco por essas crianças. Hoje descobri algo que eu não tinha pensado… estava conversando com minha amiga Rô e contei prá ela que o Du está mostrando um lado dele que eu nunca tinha visto, um lado ansioso, apressado, completamente o seu oposto, pois ele sempre faz tudo com calma, espera tudo e fica tão normal em situações em que eu me descabelo… todo dia, é a mesma pergunta: “Alguma novidade amor?, Mudou alguma coisa amor? Vai ligar lá amor?” Correndo, querendo arrumar logo o quarto das crianças… aí a Rô simplesmente me disse: “Claro querida, ele está grávido!!” Genteeeeeeee eu não tinha pensado nisso, meu marido está grávido, ansioso, maluco prá ser pai e eu achando que só eu estava!!! Mas tá muito divertido, ele corre lá, corre cá, arruma, monta, desmonta, ontem foi montar os vídeo games, arrumou, montou, instalou e teve a capacidade de colocar a fonte grudada na parede, abaixo da prateleira, uma fonte é meio digamos assim grandona, deve ter uns cinco centímetros de largura… aí ele todo feliz me chamou prá ver que ele tinha deixado bonitinho, escondido todos os fios. Eu olhei e disse: “Amor, se cortamos o berço porque não temos espaço, como essa fonte vai ficar aí, afastada da cama e roubando o espaço que será cortado do berço?” Ele tá tão maluco que não pensou nisso, não iria adiantar cortar o berço se ficasse do jeito que ele fez, lá vai ele tirar tudo e arrumar diferente, rsrsrsrsrsrs. Enfim, está quase tudo pronto, só falta colocar a cortina e depois esperar as crianças, aí será um corre corre danado, comprar tudoooo que se pode imaginar e da cor que quiser, brinquedos, bichinhos de pelúcia, aaaah tuuuuuuudo mesmo!!! Já estou vendo lembrancinhas de chegada, prá dar aos familiares e amigos, é uma loucuraaa!

Agora resta esperar um telefonema, um e-mail… esperar o que Deus nos reservou e no tempo Dele, esperar a chegada tão esperada de duas coisinhas lindas, fofas, amadas, que serão e nos farão muito felizes, irão completar nossa vida, nossa família, encher a casa de barulho, de alegria, de birras, de brinquedos espalhados pelo chão e que as cachorras certamente comerão, irão finalmente ter um lar, terão um futuro e serão os Nossos Filhos, parte de nós que nasceu em outra barriga, em outra mãe, de outro pai, mas foi uma separação passageira, apenas prá nos ensinar que o verdadeiro amor é livre de preconceitos, de cor, de credo, de laços consanguíneos, de idade, o verdadeiro amor é incondicional e nasce no exato momento em que você se torna Pai e Mãe e não há diferenças!! Abençoada mãe biológica dos meus filhos, abençoado pai biológico dos meus filhos, sem vocês não seria possível nos tornarmos pais, pais de coração, pais de alma, pais de uma vida de espera, pais dos Nossos Filhos!

Filhos, venham logo, cheguem depressa! Amamos vocês desde o dia 31 de Janeiro de 2013, dia em que seu pai me disse que queria adotar vocês, esperamos vocês há dez anos e nosso amor fica cada dia maior, não vemos a hora de trazer vocês prá casa, nossa casa. Sua irmã vai fazer tanta bagunça com vocês, vai levar vocês a tantos lugares, seus tios e tias, suas avós e avôs, seus primos e suas primas, todos estão ansiosos esperando vocês chegarem, todos amam vocês! Todos amamos vocês e muito, é um amor que não cabe no peito, é um amor que não tem fim, é apenas o começo… o começo do resto das nossas vidas!