Os dias vão passando…

Nossa, faz dias que não escrevo nada, mas é por que não tenho novidades. Semana passada estava bem deprimida, não queria fazer nada, sair de casa, ver ninguém… mas levei um puxão de orelhas do Du e como sempre tive todo o carinho das minhas amigas do grupo, ô povo abençoado, eu agradeço a Deus todos os dias por ter vocês na minha vida! Quando entrei no mundo da adoção eu sabia que seria demorado, tanto que explicava prá quem me perguntava que a habilitação demora em média um ano prá sair e a fila é longa e muitas crianças não estão aptas prá adoção, mas a medida que fui me aprofundando no assunto, conhecendo pessoas, lendo relatos, vivendo em tempo integral só prá isso, fui conhecendo o outro lado da história, fui vendo que nem tudo que reluz é ouro. Pessoas que ostentam orgulhosas a bandeira “Toda criança tem direito á uma família” são controversas, falam isso mas não vivem isso, são falsos moralistas, pois ao tocar no assunto Busca Ativa torcem o nariz, te ignoram e começam os discursos contra. Não foi só aqui na minha cidade que vivenciei isso, alguns dias atrás uma pessoa, portadora da tal bandeira, super a favor da adoção, veio conversar comigo e eu toquei no assunto, pronto o blá blá blá começou, a minha sorte foi que a primeira vez que vi e li comentários dessa pessoa não simpatizei com ela, até tentei mudar meu pensamento e sentimento mas não adiantou, sabe quando você não consegue olhar a pessoa? Pois é, foi assim desde o começo, lá longe quando demos entrada no processo. Digo sorte porque com tal discurso, se eu gostasse de tal pessoa eu teria ficado magoada, mas como meu santo não cruzou com o dela, por mim tanto faz o que ela pensa ou deixa de pensar!  Mas não vou prolongar esse assunto aqui, meus filhos ainda não chegaram e eu não quero ter minha habilitação suspensa, vai que né…  

Mais uma vez venho reforçar meu pedido prá quem vai entrar ou já entrou com o processo de adoção se informe, leia muito, procure saber tudo sobre o assunto. Digo isso porque essa semana uma pessoa fora do meu círculo de amizades veio me perguntar o que é Guarda temporária para fins de adoção e eu perguntei porque ela queria saber, já desconfiava da resposta e essa pessoa me disse que fez estágio de convivência com uma criança e recebeu um papel do juíz escrito isso. Meu Deus, juro que eu demorei uns cinco minutos prá responder, lembrei de toda a educação que meus pais me deram, respirei fundo, contei até mil e depois de esbravejar na frente do note, respondi com toda a educação e gentileza do mundo! Ufa, passei no teste, será?  Informação não dói, não mata! Não adote por caridade, saiba tudo que envolve esse processo, não fique de braços cruzados, aprenda e corra atrás do que quer!

O Du tá de férias desde o dia 10 e dia 28 já volta a trabalhar, quer dizer dia 29 ele viaja pro Rio fazer curso da empresa. Eu tinha a esperança de que nossos filhos chegariam nesse tempo, mas já é dia 20 e nada ainda, depois ele não pode faltar e quero ver como faremos se tivermos que viajar, mas tudo dá jeito! Meu coração sofre essa ausência, esse amor sufoca, essa ansiedade mata, a sensação de impotência se faz presente e machuca todo dia.Tudo bem, eu sei que só estou habilitada há dois meses e que meus filhos serão prá sempre, não sei o motivo dessa ânsia de mudança de hábitos, crianças correndo, gritando, brigando, brincando, fervendo pela casa, sinceramente eu queria entender tudo isso e acalmar meu coração, queria ficar tranquila, sem sonhar, sem querer abraçar, beijar, educar e amar… mas não dá, não consigo pensar em mais nada que não sejam eles. Eu tento me distrair, ler, e quem disse que consigo segurar um livro? Há quinze dias me encantei pelas fofas plantinhas suculentas, compramos em dois dias umas trinta delas, o Du fez um jardim vertical todo bonitinho e elas estão lá… eu vou lá, cuido delas mas meu pensamento não muda, cadê meus filhos? Agora inventei que quero aprender a fazer o tal Patchwork, tudo bem o Du vai comprar o material prá eu aprender, disse que é bom prá eu me distrair, quero ver até onde isso vai dar. Eu sei que Deus sabe a hora certa e eu sei também que minha hora vai chegar, mas essa angústia é terrível!! Mas graças a Deus tenho meus amigos ao meu lado, aqueles que se importam com o que sinto, aqueles que me apoiam e que sem eu imaginar estão correndo atrás, rezando, torcendo e demonstrando o seu carinho e eu digo que isso é fundamental, é esse tipo de ajuda que não me deixa fraquejar, é vendo a família deles formada, com amor e alegria que renovo minha esperança, é por eles compartilharem comigo suas experiências, seus momentos especiais que eu deixo a tristeza de lado e aproveito cada minuto ao lado deles e dos seus filhos, eles e eu cercados de amor! Sei que meus filhos chegarão e serão amados não só por nós, mas por todos esses tios e tias de coração e eu serei a mãe mais orgulhosa e feliz. Sei que nem tudo é um mar de rosas, mas estou louca prá toda essa reviravolta acontecer e ter esses filhotes ao meu lado, me atormentando o juízo, correndo pela casa, subindo pelas portas, gritando debaixo do chuveiro!!! Não escolhemos o sexo deles, mas eu queria que viesse um menino, prá jogar futebol com a Fer, video game com o pai, quero que ele seja igual ao Du, que goste de rock pesado mas não seja cabeludo, que ouça Iron Maiden e seja doce e tranquilo como o pai, digo tranquilo porque o Du não tem boca prá nada, prá ele tá tudo bem, quero que ele seja torcedor do meu time e do pai, prá fazermos aquela disputa saudável quando os dois times se enfrentam, quero que ele fique fera no game como o João, quero que ele vá pescar com o pai, quero que ele seja um homem de bem, honesto, trabalhador, responsável. 

Enfim… os dias passam rápido demais e tá demorando muito prá eles chegarem, mas cada dia a mais sem eles, é um dia a menos de espera!!!!

Cegonha querida, desculpe a perturbação na sua cabeça, você sabe que te adoro e que serei eternamente grata por tudo que você fez e faz por mim!

Anúncios

Ninho.

Sou pretinho, sou branquinho…
Posso ser um mulatinho…
Ou descendente de indiozinho…
Sou menino, travessinho…
Ou menina de lacinho…
Posso ser um bebezinho…
Ou somente um garotinho…
Talvez, quem sabe, já um rapazinho…
Mas na verdade eu cheguei aqui pequenininho!
Nem sei bem porque sou passarinho sem ninho…
Fato é que na verdade eu me encontro sozinho!
Moro aqui e em todo canto eu encontro um amiguinho…
Eles são iguais a mim, passarinho sem ninho…
Mas eu sonho mesmo é ter um irmãozinho…
Um papai, uma mamãe, quem sabe um priminho…
Não sou muito exigente, eu só não quero ser sozinho!
Mas o tempo vai passando e eu não vejo outro caminho…
Quem aqui vem não me enxerga, fico sempre no cantinho…
Talvez seja porque eu já não sou mais tão pequenininho…
Não sei quem criou a ideia de que eu não posso sentir carinho…
Só porque já sou um pouco mais velhinho!!!
Talvez temam as marcas que trago em meu corpinho…
Ou achem que eu não possa ser um menino educadinho…
Na verdade, invisível, eu pareço um gasparzinho!
Mas olhe, me escute, eu não quero ser sozinho!!!
Me adote, me ame, me transforme em seu filhinho…
E verás que no meu peito eu tenho sim um coraçãozinho…
Eu só quero conhecer a alegria e completar o seu ninho!


Bárbara Zambelli – 25/05/2013

Algumas falhas.

Há dias venho querendo postar aqui alguns fatos não muito bons sobre alguns grupos de apoio presencial. NÃO estou me referindo á todos, nem aos grupos de apoio virtual, que por sinal são maravilhosos e tudo que aprendi foi com estes, tem pessoas realmente engajadas na causa Adoção.

Quando demos entrada no processo de habilitação, fomos á reuniões, palestras e eu me ofereci prá ser voluntária de um grupo, além de me ocupar e controlar minha ansiedade, queria ajudar de alguma forma, pois ao meu ver acho impossível ficar de braços cruzados quando conhecemos de fato o mundo das crianças abrigadas. Um mês depois, recebi um e-mail sobre uma reunião que seria para designar funções aos voluntários, digamos assim. Acaso ou não no dia da reunião o Du estava trabalhando no período da tarde e a Fer estava viajando. A reunião seria ás 19:30h, respondi o mesmo avisando que eu não poderia comparecer justificando o motivo e pedi prá que eu fosse informada da próxima. Não fui nessa reunião porque a rua aonde moro de um lado é um terreno de quadra inteira de propriedade de uma empresa de ônibus daqui, gigantesco e abandonado, do outro lado são chácaras que não possuem muros, apenas arame farpado e mato, onde facilmente alguém se esconde e faz ali o que quiser. Eu não saio sozinha e a pé depois que escurece nem que a vaca tussa, como eu iria sair e voltar sozinha tarde da noite? Foi exatamente isso que expliquei no e-mail e nunca mais me chamaram, enviei alguns e-mails tempos depois e nem fui respondida. 

Essa semana, um dos grupos do Rio de Janeiro se reuniu, discutiu as insatisfações, listou os pontos falhos e enviou uma carta ao MP cobrando, fazendo valer os direitos de habilitados e adotantes, ótima iniciativa! Será que aqui já fizeram isso? Não adianta apenas fazer palestras sobre adoção tardia, grupo de irmãos, é preciso discutir, debater e apoior quem já está habilitado e passa por toda essa morosidade. Honestamente, não tenho conhecimento de uma reunião com esse teor aqui em Curitiba. Os sites e as páginas estão desatualizadas, há perguntas sem respostas, artigos do começo de 2012. Manter tudo isso atualizado é importante e esclarecedor, claro que sei que os membros são ocupados, tem família e trabalho fora do grupo, mas aí é que entram os voluntários, uma pessoa de confiança poderia dar uma atualizada, ao menos uma vez por semana. Essa união entre membros dos grupos, habilitados e adotantes é nescessária, juntos podem cobrar celeridade e transparência junto ao judiciário, abraçar verdadeiramente a adoção, dentro da legalidade ajudar a encontrar pais prá essas milhares de crianças que estão nos lares, esperando por amor, por uma família. Existem muitos casais com perfis amplos, que aceitam irmãos e não tem preferência de idade, cor ou sexo e estão anos esperando. Eu não tenho esperanças de que meus filhos sejam curitibanos, só se eu sentar, cruzar os braços e esperar uns dois anos, mas não!! Minha espera já dura dez anos, tenho pressa, tenho amor e tem crianças esperando, estou indo á luta, buscando meus filhos nos quatro cantos desse país! Não estou sozinha, felizmente encontrei o verdadeiro apoio de pessoas que AMAM o que fazem, não fazem distinção de conhecidos ou anônimos, não fazem “panelinhas”, são aquelas pessoas que seguem o tão citado e menos praticado FAZER O BEM SEM OLHAR A QUEM, são pessoas que priorizam as crianças sempre, são pessoas que lutam prá que realmente essas crianças tenham o direito á uma família! 

Apenas uma das minhas amigas adotou aqui, mas ela esperou cinco anos, as outras tinham o perfil igual ao meu: adoção tardia e grupo de irmãos e TODAS foram prá fora do estado encontrar seus filhos! Será que aqui não há crianças maiores de 2 anos? Será que aqui todos os pretendentes querem filhos maiores? Nenhuma delas tem irmãos? Estranho… algo a ser pensado e muito bem pensado! Mas Deus colocou no meu caminho pessoas especiais, que me ajudam a qualquer hora do dia ou da noite, pessoas anônimas, que não buscam fama, apenas ajudam pais e filhos a se reencontrarem!

Prá minha cegonha só um recado: Obrigada por tudo, ainda vou te dar um abraço bem apertado, que Deus te abençoe! 

Se alguém se sentir ofendido com este post: Aja, mude, ajude, você tem a faca e o queijo nas mãos, basta saber cortar!